Produção Indústrial Minas Gerais - Fevereiro de 2022

Produção industrial mineira recupera-se parcialmente dos impactos negativos das chuvas e cresce 7,3% em fevereiro. Como antecipamos no boletim anterior, a produção da indústria de Minas Gerais registrou avanço de 7,3% entre janeiro e fevereiro, compensando boa parte da queda de 7,7% ocorrida em janeiro, mês em que as fortes chuvas que atingiram o estado comprometeram a produção e a distribuição de mercadorias. Tanto o segmento extrativo (14%) como o de transformação (5%) cresceram. No segmento de transformação, 10 das 12 atividades pesquisadas mostraram acréscimo da produção em fevereiro, com destaque para bebidas (24,9%) – recuperando-se da queda de 20,7% em janeiro –, metalurgia (11,4%) e derivados do petróleo e biocombustíveis (9,4%).



Por: Gerência de Economia e Finanças Empresariais - FIEMG


12/04/2022 - Como antecipamos no boletim anterior, a produção da indústria de Minas Gerais registrou avanço de 7,3% entre janeiro e fevereiro, compensando boa parte da queda de 7,7% ocorrida em janeiro, mês em que as fortes chuvas que atingiram o estado comprometeram a produção e a distribuição de mercadorias. Tanto o segmento extrativo (14%) como o de transformação (5%) cresceram.


No segmento de transformação, 10 das 12 atividades pesquisadas mostraram acréscimo da produção em fevereiro, com destaque para bebidas (24,9%) – recuperando-se da queda de 20,7% em janeiro –, metalurgia (11,4%) e derivados do petróleo e biocombustíveis (9,4%). Apenas as atividades de têxteis (-6,4%) e de outros produtos químicos (-0,3%) apresentaram queda em fevereiro.


Na comparação com fevereiro de 2021, a produção da indústria mineira cresceu 0,7%, resultado melhor do que o registrado no país (-4,3%). O segmento de transformação avançou 0,9%, enquanto o segmento extrativo recuou 0,4%.


No segmento de transformação, cinco atividades pesquisadas mostraram acréscimo na comparação anual, com destaque para máquinas e equipamentos (10%) – puxado por implementos usados na construção –, metalurgia (9,1%) e alimentos (8,5%). Por sua vez, os maiores decréscimos foram em têxteis (-26,1%) – puxado por tecidos e fios de algodão – e produtos de metal (-21%).


PERPECTIVAS

As expectativas para os próximos meses são de acomodação da produção industrial mineira. Por um lado, o preço elevado de commodities, como o minério de ferro e alumínio, pode estimular um aumento de produção – especialmente na cadeia extrativa. Por outro lado, a desaceleração da economia mundial em função do conflito militar no Leste Europeu e do aperto monetário adotado pelos bancos centrais pode reduzir os investimentos e a demanda por bens industriais.


Fonte: IBGE e FIEMG