Preço da celulose pode ter novo reajuste na China em junho

Os preços para revenda da celulose de eucalipto no mercado chinês e os contratos futuros de fibra longa voltaram a subir, indicando potenciais reajustes. Uma nova rodada de aumentos do preço da celulose para junho está no radar na China, em razão das restrições na oferta da commodity, paradas programadas ou não em fábricas ao redor do mundo e a continuidade dos gargalos logísticos que limitam o comércio internacional. Na última semana, tanto os preços para revenda da celulose de eucalipto no mercado chinês quanto os contratos futuros de fibra longa voltaram a subir, indicando os potenciais reajustes.



24/05/2022 - Uma nova rodada de aumentos do preço da celulose para junho está no radar na China, em razão das restrições na oferta da commodity, paradas programadas ou não em fábricas ao redor do mundo e a continuidade dos gargalos logísticos que limitam o comércio internacional.


Na última semana, tanto os preços para revenda da celulose de eucalipto no mercado chinês quanto os contratos futuros de fibra longa voltaram a subir, indicando os potenciais reajustes.


A valorização na revenda da celulose de eucalipto foi de US$ 34,20 por tonelada, chegando a US$ 850,27. Ao mesmo tempo, a fibra ficou praticamente estável no mercado à vista chinês, com leve ganho de US$ 0,40, para US$ 812,29 por tonelada – quase US$ 40 abaixo do preço de revenda.


Já no mercado de fibra longa, a situação parece mais equilibrada. Na Bolsa de Xangai, os contratos futuros avançaram 1,2% na semana, o equivalente a US$ 954,79 por tonelada na importação. No mercado à vista chinês, o preço líquido teve leve recuo, de US$ 0,80, para US$ 987,33 por tonelada – acima, portanto, dos valores sinalizados pelos contratos futuros.


O spread entre as fibras pode dar suporte a um novo reajuste da fibra curta. Com a fibra longa mais cara, as papeleiras tendem a migrar o consumo para a matéria-prima com preços mais atrativos, incrementando a demanda.


A combinação entre oferta limitada de celulose, demanda firma e restrições logísticas que provocam atraso na entrega no mercado chinês sustenta a valorização da commodity. A guerra na Ucrânia, sanções à Rússia e greves em diferentes regiões refletem no comércio de madeira e outros insumos da indústria de papel e celulose, afetando a disponibilidade mundial.


No início de maio, a Suzano, maior produtora mundial de celulose, anunciou aumentos na China. A Klabin, que já havia comunicado o aumento para o mercado chinês no fim de abril, indicou que todos os reajustes para maio estavam sendo aplicados integralmente.


O preço líquido da celulose de fibra curta na China acumula alta de 42% desde o início do ano.


A percepção de produtores brasileiros é de que a oferta no mercado global tende a ser ainda mais apertada neste trimestre, sustentando o rali de preços. Entre janeiro e abril de 2022, segundo estimativa da Suzano, mais de 1,5 milhão de toneladas de fibra saíram do mercado por paradas não programadas – valor acima da média histórica.


Fonte: Tissue Online