Klabin e Suzano anunciam novos aumentos no preço da celulose

Principais produtoras brasileiras da matéria-prima vão reajustar o preço da fibra curta na China, Europa e EUA, a partir de julho. Principais produtoras de celulose do Brasil, Klabin e Suzano deverão implementar um novo aumento de preços da commodity, válido para julho, segundo fontes de mercado. A Klabin, única produtora de celulose de fibra curta, fibra longa e fluff do país, vai aplicar reajustes no preço da celulose de eucalipto (fibra curta) que variam de US$ 20 a US$ 40 por tonelada.



30/06/2022 - Principais produtoras de celulose do Brasil, Klabin e Suzano deverão implementar um novo aumento de preços da commodity, válido para julho, segundo fontes de mercado.


A Klabin, única produtora de celulose de fibra curta, fibra longa e fluff do país, vai aplicar reajustes no preço da celulose de eucalipto (fibra curta) que variam de US$ 20 a US$ 40 por tonelada.


Para o mercado asiático, o aumento será de US$ 20, elevando o preço a US$ 860 por tonelada. Já na Europa, a companhia pretender aumentar o preço em US$ 30, fazendo com que o preço de referência da celulose de eucalipto chegue a US$ 1.380 por tonelada. Para os Estados Unidos, o aumento proposto pela Klabin é de US$ 40, com preço lista de US$ 1.610 por tonelada.


A Suzano, maior produtora mundial de celulose de eucalipto, também está elevando os preços da fibra curta nos três mercados. Assim como sua concorrente, os aumentos serão entre US$ 20 e US$ 40 por tonelada.


Na China, o aumento será de US$ 20. Considerando-se o valor que havia sido anunciado pelos produtores para a celulose de fibra curta em junho, de US$ 840 por tonelada no país asiático, o novo preço seria de US$ 860.


Na Europa, o reajuste será de US$ 30, elevando o preço de referência da celulose de eucalipto a US$ 1.380 por tonelada. Na América do Norte, o aumento chega a US$ 40, fazendo com que o preço salte a US$ 1.610 por tonelada.


De acordo com a Fastmarkets Foex, o preço líquido da fibra curta chegou a US$ 843,40 por tonelada na última semana – alta de US$ 31,20 em um mês, que indica que o reajuste de junho foi integralmente implementando.


Fonte: Tissue Online