top of page

Klabin deve somar 450 mil toneladas de capacidade de papel reciclado com novas máquinas

As duas máquinas de papel reciclado serão instaladas na nova fábrica de embalagens em Piracicaba (SP), o Projeto Figueira. Com previsão de entrar em operação no segundo trimestre de 2024, a nova fábrica de caixas de papelão da Klabin, o Projeto Figueira, deve receber em breve duas máquinas de papel reciclado, segundo Cristiano Teixeira, diretor-geral da companhia. Somando uma capacidade produtiva de 450 mil toneladas por ano – combinadas –, as máquinas alcançam o tamanho da MP 27.



07/12/2023 - Com previsão de entrar em operação no segundo trimestre de 2024, a nova fábrica de caixas de papelão da Klabin, o Projeto Figueira, deve receber em breve duas máquinas de papel reciclado, segundo Cristiano Teixeira, diretor-geral da companhia.


Somando uma capacidade produtiva de 450 mil toneladas por ano – combinadas –, as máquinas alcançam o tamanho da MP 27, que está instalada em Ortigueira (PR), para produzir papel kraftliner a partir de fibra virgem. Enquanto o mercado de papel e celulose chega a cerca de 400 milhões de toneladas anuais globalmente, o segmento de papel para caixas deve alcançar 180 milhões deste total.


A nova fábrica de Piracicaba (SP) ainda receberá duas onduladeiras, com adição líquida de capacidade de 100 mil toneladas anuais.


Conforme Teixeira, atualmente, cerca de 70% da produção da MP 27 é direcionada para a conversão de caixas de papelão da Klabin. “É uma máquina que, pelo menos nos próximos 20 anos, será campeã [mundial] de custo caixa, que também traz redução de custo para o convertedor”, disse o executivo.


Diante dos preços mais baixos do kraftliner no mercado internacional – devido ao excesso de oferta –, a companhia passou a utilizar sua produção de maneira integrada em suas próprias embalagens, substituindo o papel reciclado. Nesse contexto, a Klabin teria encerrado cerca de 200 mil toneladas em capacidade de reciclados ao ano.


“No limite, dependendo das condições de mercado e mantendo market share, a Klabin consegue converter 100% do papel produzido em caixas, que tem preço estável em dólares há seis anos. Isso é hedge operacional”, comentou o diretor-geral, ressaltando que a dinâmica contribui para assegurar o ganho sobre capital sobre o capital investido.


Considerando o negócio de conversão, a companhia ampliou sua participação de mercado de 18% para 22% em 2023, principalmente devido a aquisição dos ativos de embalagens da International Paper (IP) no Brasil. “Isso conversa diretamente com estabilidade de preço”, afirmou Teixeira.


Fonte: Portal Packaging

bottom of page