top of page

O relatório da Defra UK pede transparência de polímeros e subsídios de reutilização

Para acabar com a poluição plástica até 2040, o relatório da Defra UK pede transparência de polímeros e subsídios de reutilização. Foi publicado o segundo Relatório de Convocação de Múltiplas Partes Interessadas dos Diálogos do Tratado Nacional do Reino Unido sobre Poluição Plástica 2023. O relatório inclui contribuições de 39 organizações que abordam a crise da poluição plástica, como ExxonMobil, Nestlé, Greenpeace, Unilever e Oxford University.



30/05/2023 - Foi publicado o segundo Relatório de Convocação de Múltiplas Partes Interessadas dos Diálogos do Tratado Nacional do Reino Unido sobre Poluição Plástica 2023. O relatório inclui contribuições de 39 organizações que abordam a crise da poluição plástica, como ExxonMobil, Nestlé, Greenpeace, Unilever e Oxford University.


As contribuições desta sessão visam ajudar a informar as contribuições do Reino Unido na negociação do tratado global de plásticos no Segundo Comitê Intergovernamental de Negociação (INC-2) em Paris (https://www.unep.org/).


“Todos nós sabemos que uma ação internacional é necessária, e o Reino Unido está empenhado em continuar pressionando pelo desenvolvimento de um tratado ambicioso e eficaz que acabará com a poluição plástica até 2040”, disse Fiona Charlesworth, chefe do meio ambiente marinho internacional do Departamento de Meio Ambiente, Alimentação e Assuntos Rurais (Defra).


“Combater a poluição plástica é fundamental para a saúde do nosso mundo natural e, sem ação, o problema só aumentará.”


O relatório foi publicado em parceria com a Ocean Plastics Leadership Network (OPLN) e o Defra do governo do Reino Unido, incluindo notas de um painel de discussão de especialistas sobre o tratado global de plásticos, os resultados de duas pesquisas e os resultados de três sessões temáticas.


Responsabilidade do produtor Todos os setores do Reino Unido concordaram que o tratado do plástico deve mobilizar fundos privados e públicos para garantir a implementação efetiva das disposições do tratado como “essencial ou de alta prioridade”.



“O OPLN assumiu a liderança na liderança de um programa de convocação de várias partes interessadas para o governo do Reino Unido, com o objetivo de identificar áreas de alinhamento antes de cada Reunião de Negociação Intergovernamental e acelerar a ação coordenada na crise dos plásticos”, afirma Marta Fiscina, CEO da OPLN.


Os participantes do relatório também consideram essencial o tratado de plásticos que facilita o estabelecimento de esquemas de responsabilidade estendida do produtor. O relatório também terá como objetivo ajudar a transferir tecnologia para países de baixa e média renda para garantir a implementação efetiva do tratado em nível nacional como “prioridade essencial ou alta”.


Além disso, foi encontrado um alinhamento intersetorial das partes interessadas ao rotular a declaração: “O tratado de plásticos deve desenvolver critérios globais de design como 'essenciais ou de alta prioridade'”.


“Acreditamos firmemente na importância primordial do envolvimento sistemático das partes interessadas em todo o ecossistema de plásticos, particularmente em conjunto com o Tratado de Plásticos da ONU”, acrescenta Fiscina.


Essencial ou de alta prioridade

Mais de 70% das partes interessadas consideram o tratado global de plásticos que exige a divulgação de tipos de polímeros em produtos plásticos como “essencial ou de alta prioridade”. Também foi acordado que o tratado deveria proibir subsídios que promovam maior produção e consumo de plásticos virgens.


“Como a sexta maior economia do mundo, o Reino Unido deu um exemplo ambicioso, mostrando o poder da colaboração e dos esforços conjuntos”, continua Fiscina.


As partes interessadas também mencionaram no relatório a necessidade de definições mais claras de biodegradável, compostável e bioplástico, além de proibir subsídios que promovam maior produção e consumo de plásticos virgens.


Além disso, mais de 60% das partes interessadas classificaram a mobilização de fundos para subsidiar a reutilização e a recarga da infraestrutura como uma consideração “essencial ou de alta prioridade” para o tratado.



O relatório de várias partes interessadas pede a proibição de subsídios que promovam maior produção e consumo de plásticos virgens.


Cinco princípios

O relatório afirma que os diálogos do tratado nacional sobre a poluição plástica são um programa de engajamento de várias partes interessadas que deve considerar cinco princípios.

  • Neutralidade: As partes interessadas desejam uma estrutura de participação equilibrada considerando todo o ciclo de vida dos plásticos.

  • Capacitação: Capacitação para colaboração intersetorial efetiva no tratado de poluição plástica da ONU e planos de ação nacionais.

  • Inclusão: Envolvimento ativo e informado em grupos sub-representados.

  • Relatórios baseados em dados: Introduza a geração de insights baseados em dados para identificar áreas de alinhamento intersetorial em relação às disposições do tratado e às posições individuais de cada país.

  • Ciência e conhecimento: Elevar a importância da inovação, tecnologia e ciência no processo de desenvolvimento de políticas.


“Esses programas nacionais com várias partes interessadas apresentam uma oportunidade para os países demonstrarem liderança ao lidar com essa questão global urgente”, diz Fiscina.


“Juntos, podemos abrir caminho para um futuro sustentável e resiliente, onde os impactos do plástico na saúde humana e no meio ambiente são mitigados e o bem-estar das gerações presentes e futuras é salvaguardado”, conclui.


Por Sabine Waldeck


Para entrar em contato com nossa equipe editorial, envie um email para editorial@cnsmedia.com


Fonte: Packaging Insights

bottom of page