Guerra e ômicron afetam produção e PIB industrial deve cair pela 7ª vez em 10 anos

CNI projeta crescimento da economia brasileira de 0,9% em 2022, enquanto a indústria deve recuar 0,2% diante das dificuldades impostas pelos novos entraves externos e inflação persistente. A Confederação Nacional da Indústria (CNI) revisou para baixo as projeções sobre crescimento do Brasil e da indústria. O Informe Conjuntural do 1º trimestre avalia que o Produto Interno Bruto (PIB) do país vai aumentar 0,9%, uma queda em relação à previsão anterior de 1,2%, e a indústria deve recuar 0,2% neste ano. Se esse cenário se confirmar, será a sétima vez, em dez anos, que a indústria nacional encolhe. A previsão feita em dezembro de 2021 era de que a indústria cresceria 0,5%.


14/04/2022 - A Confederação Nacional da Indústria (CNI) revisou para baixo as projeções sobre crescimento do Brasil e da indústria. O Informe Conjuntural do 1º trimestre avalia que o Produto Interno Bruto (PIB) do país vai aumentar 0,9%, uma queda em relação à previsão anterior de 1,2%, e a indústria deve recuar 0,2% neste ano. Se esse cenário se confirmar, será a sétima vez, em dez anos, que a indústria nacional encolhe. A previsão feita em dezembro de 2021 era de que a indústria cresceria 0,5%.


Os dois principais motivos para os cálculos mais pessimistas em relação à economia nacional são: a guerra na Ucrânia e a variante Ômicron, que têm causado novas interrupções de produção na China, em importantes centros industriais e problemas logísticos.


Tanto as sanções comerciais e financeiras impostas por vários países ocidentais sobre a Rússia quanto a nova variante da Covid-19 contribuíram para a persistência dos desarranjos nas cadeias produtivas. A guerra tem, ainda, o agravante econômico de pressionar para cima o preço dos fretes internacionais devido à alta do petróleo e de várias outras commodities, em especial de alimentos.


O gerente-executivo de Economia, Mário Sérgio Telles, afirma que a indústria de transformação, por ser a mais afetada pelos problemas de insumos e matérias-primas e diante de uma demanda mais fraca, deve registrar queda no PIB de 2% este ano, após crescer 4,5%, em 2021, e cair 3,4% em 2020. Além disso, a redução da renda real da população e a alta nos juros, diz, desestimulam a aquisição de bens de consumo duráveis, como automóveis e eletrodomésticos, que já se encontram em um patamar baixo de produção.


“Temos um desafio, cada vez mais difícil, de enfrentar inflação alta com baixo crescimento. Mas o Brasil não pode deixar que o controle da inflação recaia exclusivamente sobre a elevação dos juros, principalmente pelo efeito de perda de ritmo da atividade econômica. Sobretudo quando as expectativas de crescimento já são modestas. Nesse sentido, medidas como a redução do IPI são complementares à política monetária”, explica Mário Sérgio.



Reforma tributária abre caminho para crescimento em 2023


De acordo com Mário Sérgio, a redução do Imposto sobre Produtos Industrializados (IPI), além de reduzir a carga tributária da indústria, o setor mais tributado da economia, se contrapõe às pressões de custo pelas quais passam as empresas industriais, o que contribui para o controle da inflação.


A CNI, contudo, defende a reforma ampla da tributação do consumo, proposta pela PEC 110, por seu efeito imediato no aumento do nível de confiança na economia e na competitividade da produção brasileira.


“A reforma tributária, com redução do Custo Brasil, pode lançar as bases para o Brasil crescer mais e de forma sustentada, a partir de 2023”, avalia o economista da CNI.



Indústria extrativa cresce 2% impactada por efeitos ambíguos da alta das commodities


A indústria extrativa deve ter uma expansão de 2% neste ano, valor menor do que os 3% de 2021 e maior do que os 1,3% de 2020, de acordo com as projeções da CNI. O setor deve contar com efeitos ambíguos da guerra na Ucrânia em 2022. O aumento dos preços internacionais das commodities, em especial do minério de ferro e do petróleo, tem efeito positivo sobre as exportações.


No entanto, há também o comprometimento da eficiência do transporte marítimo diante das sanções comerciais e o aumento dos preços dos fretes decorrente da alta dos combustíveis, que deve ser um desafio relevante para o setor neste ano.


Veja abaixo o quadro com todas as previsões:


Perspectivas da economia brasileira



Fonte: CNI