Caged aponta avanço de 136,2 mil vagas de trabalho formal em março

Economia: Desempenho do mercado de trabalho formal – CAGED março/2022. No Brasil, o saldo do Caged (contratados – demitidos) foi positivo em 136,2 mil vagas em março, segundo o Ministério do Trabalho e Previdência, resultado em linha com as expectativas de mercado¹ (130,3 mil vagas). O setor de serviços (111,5 mil vagas) foi o destaque positivo. A indústria da construção (25,1 mil vagas), a indústria de transformação (12,1 mil vagas) e o comércio (352 vagas) também registraram avanços. A agropecuária destacou-se negativamente, com fechamento de 16 mil vagas em março. No setor de serviços, os subsetores de educação (28,2 mil vagas) – influenciado pelo retorno das atividades presenciais na maior parte do país – seguido por atividades profissionais, científicas e técnicas (13,2mil vagas) e atividades administrativas (12,1 mil vagas) contribuíram para o resultado.



Por: Gerência de Economia e Finanças Empresariais – FIEMG


03/05/2022 - No Brasil, o saldo do Caged (contratados – demitidos) foi positivo em 136,2 mil vagas em março, segundo o Ministério do Trabalho e Previdência, resultado em linha com as expectativas de mercado¹ (130,3 mil vagas).


O setor de serviços (111,5 mil vagas) foi o destaque positivo. A indústria da construção (25,1 mil vagas), a indústria de transformação (12,1 mil vagas) e o comércio (352 vagas) também registraram avanços. A agropecuária destacou-se negativamente, com fechamento de 16 mil vagas em março.


No setor de serviços, os subsetores de educação (28,2 mil vagas) – influenciado pelo retorno das atividades presenciais na maior parte do país – seguido por atividades profissionais, científicas e técnicas (13,2mil vagas) e atividades administrativas (12,1 mil vagas) contribuíram para o resultado.


Na indústria de transformação, 18 dos 24 subsetores apresentaram resultado positivo, com destaque para couro e calçados (4,9 mil vagas), fumo (4,5 mil vagas), manutenção de máquinas e equipamentos (3,7 mil vagas) e coque e combustíveis (2,8 mil vagas). O período de desmobilização da cana-de-açúcar influenciou os resultados do subsetor de produtos alimentícios, que fechou 10,8 mil vagas no período.


Em Minas Gerais, o saldo de empregos em março foi positivo em 27,4 mil vagas. O resultado foi influenciado, em especial, por serviços (15,1 mil vagas), com destaque para os subsetores de educação (3,8 mil vagas) e de atividades administrativas e serviços complementares (3,2 mil vagas).


Na indústria de transformação, foram geradas 3,2 mil vagas. Dos 24 subsetores, 19 apresentaram resultado positivo, com destaque para produtos alimentícios (970 vagas), manutenção de máquinas e equipamentos (485 vagas) e couro e calçados (423 vagas). Em contrapartida, impressão e reprodução (-344 vagas) destacou-se negativamente.


PERSPECTIVAS

A reabertura da economia, em um contexto de ampla cobertura da vacinação contra a Covid-19, continuou impulsionando os resultados do mercado de trabalho, por um lado. Os cenários domésticos – de inflação e juros elevados – e o externo – de elevação dos preços de commodities na esteira da escalada militar na Europa, por outro lado, deverá contribuir para a desaceleração da atividade econômica nos próximos meses e, consequentemente, para a redução no ritmo de criação de postos de trabalho.


¹ Estimativa Bloomberg


Fonte: FIEMG