Produtores de fibra curta devem anunciar aumento de preço de US$ 100

Com o reajuste, que demonstra o bom momento da celulose, as cotações passariam para US$ 700 por tonelada. Os produtores de celulose de fibra curta devem anunciar, no curto prazo, um aumento de preço de US$ 100 por tonelada, em uma nova rodada que continua surpreendendo o mercado. Com isso, as cotações passariam para US$ 700 por tonelada.



26/02/2021 - Os preços da celulose devem alcançar seu pico no segundo trimestre, com queda no decorrer de 2022, segundo pesquisa conduzida com mais de 100 players do mercado pelo J.P. Morgan. Mediante os resultados do estudo, o banco selecionou a Klabin como s02/03/2021 - Os produtores de celulose de fibra curta devem anunciar, no curto prazo, um aumento de preço de US$ 100 por tonelada, em uma nova rodada que continua surpreendendo o mercado. Com isso, as cotações passariam para US$ 700 por tonelada.


Segundo projeções do Bradesco BBI, a fibra curta deve chegar a US$ 760 por tonelada ao final deste ano. As médias são de US$ 700 e US$ 680 por tonelada, em 2021 e 2022, respectivamente – valor cerca de 20% superior ao consenso.


A Ágora Investimentos manteve o preço estimado em US$ 540 no longo prazo. “Uma combinação de menor disponibilidade de celulose no primeiro semestre, com estoques normais de celulose, recuperação da demanda conforme o mundo ressurge da pandemia, margens dos fabricantes de papel ainda saudáveis e um spread em alta histórica sustentam nossa visão ainda mais otimista”, explicaram os analistas Thiago Lofiego e Luiza Mussi.


Na visão da dupla, a Suzano segue sendo o principal papel do setor, com preço-alvo de R$ 100 por ação. Eles também recomendam a Klabin, com preço-alvo de R$ 38 por ação.


Fonte: Tissue Online