Produção Industrial Minas Gerais - fevereiro 2021

A produção da indústria mineira avançou 0,5% em janeiro, frente a fevereiro, recuperando parte das perdas ocorridas no mês anterior. O desempenho foi superior ao da indústria brasileira, que caiu 0,7%. Dentre as 12 atividades pesquisadas, 5 registraram crescimento, com destaque para metalurgia (4,1%) – favorecida pelo segmento da siderurgia – e bebidas (4,6%). Por sua vez, os recuos mais intensos foram observados em máquinas e equipamentos (-21,2%) e minerais não metálicos (-3,7%). A produção industrial mineira aumentou 5,8% ante fevereiro de 2020. O resultado positivo foi puxado pelas indústrias extrativa (7,9%) e de transformação (5,4%).



13/04/2021 - A produção da indústria mineira avançou 0,5% em janeiro, frente a fevereiro, recuperando parte das perdas ocorridas no mês anterior. O desempenho foi superior ao da indústria brasileira, que caiu 0,7%.


Dentre as 12 atividades pesquisadas, 5 registraram crescimento, com destaque para metalurgia (4,1%) – favorecida pelo segmento da siderurgia – e bebidas (4,6%). Por sua vez, os recuos mais intensos foram observados em máquinas e equipamentos (-21,2%) e minerais não metálicos (-3,7%).


A produção industrial mineira aumentou 5,8% ante fevereiro de 2020. O resultado positivo foi puxado pelas indústrias extrativa (7,9%) e de transformação (5,4%). As atividades de veículos (39,5%) e de minerais não metálicos (11,0%) – com aumento da produção de itens direcionados à construção civil – também foram destaque.


PERSPECTIVAS

A retomada de plantas produtivas no segmento extrativo, a recomposição paulatina dos estoques e a expectativa de retomada da atividade mundial devem impactar positivamente a produção industrial nos próximos meses.


Em contrapartida, a escassez de matérias-primas, o aumento dos custos de produção e as dificuldades de logística podem influenciar negativamente a atividade. Adicionalmente, o aumento das incertezas sanitárias e fiscais poderá contribuir para o adiamento da tomada de decisão dos agentes econômicos.


Por: Gerência de Economia e Finanças Empresariais- FIEMG


Fonte: IBGE e FIEMG