Presidente da Klabin defende fim imediato do desmatamento ilegal

“Não há possibilidade de esperar nem mais um dia, dada a emergência climática”, disse Cristiano Teixeira. Para o presidente da Klabin, Cristiano Teixeira, acabar com o desmatamento ilegal é uma necessidade imediata do país em virtude dos efeitos das mudanças do clima. “Não há possibilidade de esperar nem mais um dia, dada a emergência climática”, disse, durante evento do Conselho Empresarial Brasil-China (CEBC). À frente da maior produtora e exportadora de papéis para embalagens do Brasil, Teixeira afirmou observar com preocupação e ceticismo o ritmo lento com que a agenda ambiental tem avançado em alguns mercados.



21/10/2021 - Para o presidente da Klabin, Cristiano Teixeira, acabar com o desmatamento ilegal é uma necessidade imediata do país em virtude dos efeitos das mudanças do clima. “Não há possibilidade de esperar nem mais um dia, dada a emergência climática”, disse, durante evento do Conselho Empresarial Brasil-China (CEBC).


À frente da maior produtora e exportadora de papéis para embalagens do Brasil, Teixeira afirmou observar com preocupação e ceticismo o ritmo lento com que a agenda ambiental tem avançado em alguns mercados, principalmente em relação à transição energética. “É uma preocupação grande porque o realismo ainda não tomou a cabeça de todos os empresários do mundo”, declarou.


Apesar de as mudanças da geografia e da temperatura do planeta serem questões “já postas”, em sua visão, ainda faltam soluções claras de como enfrentar o problema.


“A gente sabe da dificuldade de tentar conter o aquecimento de 1,5º C e já vê, pelo ritmo atual e pelo desafio de reduzir emissão por queima de combustíveis fósseis, essa transição energética sem solução clara”, afirmou, ressaltando o avanço do aquecimento global. “O aumento dos mares vai acontecer, regiões vão ser inundadas, vai aumentar a temperatura e vai mudar regime de chuvas”.


Na ocasião, ele também defendeu que as metas da China de substituir o uso do plástico, sobretudo em embalagens, representam uma grande oportunidade para Brasil. De acordo com ele, o país pode produzir itens a partir de resina de cultivo florestal que substituem, por exemplo, o polietileno com resistência à água e gordura.


Fonte: Tissue Online