Preço da celulose terá novo reajuste na China em maio

A Klabin implementará novos preços a partir de 1º de maio, acompanhada pela Bracell e pela chilena Arauco. Os produtores de celulose sul-americanos anunciaram uma nova rodada de aumento de preços da celulose fibra curta na China para o mês de maio. A Klabin informou aos seus clientes que implementará o reajuste de US$ 30 por tonelada a partir do dia 1º, sendo acompanhada pela Bracell e pela chilena Arauco. Dessa forma, a negociação da fibra curta passa a ser de US$ 810 nos pedidos faturados a partir do próximo mês. Com a aplicação integral do novo aumento, a alta acumulada desde janeiro sobe para quase 45%.


Foto: Tissue Online


26/04/2022 - Os produtores de celulose sul-americanos anunciaram uma nova rodada de aumento de preços da celulose fibra curta na China para o mês de maio. A Klabin informou aos seus clientes que implementará o reajuste de US$ 30 por tonelada a partir do dia 1º, sendo acompanhada pela Bracell e pela chilena Arauco.


Dessa forma, a negociação da fibra curta passa a ser de US$ 810 nos pedidos faturados a partir do próximo mês. Com a aplicação integral do novo aumento, a alta acumulada desde janeiro sobe para quase 45%.


Os preços seguem subindo diante do cenário global atual, marcado por greves, guerra na Ucrânia e a concentração de paradas programadas para manutenção em fábricas, em um momento de demanda aquecida especialmente na América do Norte e Europa. Além disso, há problemas no transporte marítimo global e nas cadeias logísticas regionais, como falta de vagões, motoristas e caminhões, resultaram no consumo dos estoques e pedidos mais robustos, o que agravou o desequilíbrio entre oferta e demanda.


Esse contexto, somado aos reajustes de até US$ 100 por tonelada em abril – que foram totalmente aplicados, segundo a Suzano –, indicava novos aumentos ainda neste ciclo, já que não eram previstas mudanças drásticas no curto prazo.


Na última semana, o preço líquido da fibra curta subiu a US$ 784,02 por tonelada no mercado chinês, alta de US$ 91,90 em um mês e de US$ 0,40 em uma semana. Já a fibra longa avançou US$ 2,80, para US$ 979,53 por tonelada, com a valorização no mês de US$ 57,90.


Já para revenda chinesa, a celulose de eucalipto recuou US$ 6,20, a US$ 800,79 por tonelada. Além dos preços terem se equiparado aos da importação, a greve dos trabalhadores da UPM, que já se estendia desde 1º de janeiro, na Finlândia, chegou ao fim na sexta-feira, 22.


Fonte: Tissue Online