Portugal se torna um grande exportador de tissue na Europa

As exportações do segmento aumentaram rapidamente, tornando o país um exportador líquido de tissue. Fazendo fronteira apenas com a Espanha, Portugal tem muitas semelhanças com sua vizinha. A Espanha é parceira de importação de tissue de Portugal, sendo responsável pela maior parte das importações, seguida pela Itália, Áustria, França e Alemanha. O volume total das importações de Portugal diminuiu ao longo do período ligeiramente mais de um terço.



27/08/2020 - Fazendo fronteira apenas com a Espanha, Portugal tem muitas semelhanças com sua vizinha. A Espanha é parceira de importação de tissue de Portugal, sendo responsável pela maior parte das importações, seguida pela Itália, Áustria, França e Alemanha. O volume total das importações de Portugal diminuiu ao longo do período ligeiramente mais de um terço.

A Espanha representa a esmagadora maioria das transações comerciais, enquanto o Reino Unido é um novo mercado para os produtores portugueses de tissue. Embora Portugal tenha reduzido suas importações de tissue, as exportações do segmento aumentaram ainda mais rapidamente, tornando o país um exportador líquido de tissue. Se essa situação continuasse, Portugal poderia facilmente exportar três vezes mais tissue do que importa. O balanço líquido de tissue mostra que Portugal exporta agora cerca de 25% da sua capacidade de produção de tissue.

A evolução da capacidade de tissue de Portugal resultou em um aumento líquido de seis linhas de tissue na capacidade de produção. A esmagadora maioria de produção (92%) é de tissue para consumo, enquanto a menor parte (8%) é voltada ao segmento professional. A maior parte do tissue para consumo é feita de celulose.

Cerca de 10% da produção de tissue em Portugal utiliza tecnologia avançada, sendo a aplicação concentrada à linha de consumo, provavelmente para melhorar características como a maciez e a resistência.

Portugal possui um grau relativamente elevado de integração das fibras de tissue, uma vantagem em comparação de custos com os parceiros comerciais selecionados. Essa análise mostra que Portugal é, em média, o produtor de tissue de menor custo. Áustria, Espanha e Itália são os concorrentes de custo mais próximos.

As emissões de carbono são a mais nova fronteira na comparação da eficiência da produção de tissue. A França tem uma vantagem significativa em sua rede elétrica movida a energia nuclear sem carbono. Espanha, Portugal, Áustria e Itália são muito semelhantes entre si. O Reino Unido e a Alemanha estão em desvantagem devido às altas emissões do consumo de combustível fóssil nas fábricas de tissue (Reino Unido) ou na rede elétrica (Alemanha), o que pode aumentar o custo de produção de tissue.

Portugal teve uma recuperação melhor da grande recessão do que a maioria dos seus parceiros comerciais. A previsão de longo prazo para a redução da população será um desafio significativo. Os ativos de tissue modernos e os baixos custos devido à integração de fibras devem continuar apoiando a transição de um importador de tissue para um exportador de tissue.

Desse modo, a dúvida é se Portugal continuará investindo em novos ativos de produção para apoiar o crescimento das exportações ou as importações dos seus maiores vizinhos europeus irão recuar. Os preços das fibras, as taxas de câmbio e as regulamentações ambientais mudarão, proporcionando vantagens a alguns participantes e a outros novos desafios.

As fábricas de tissue continuarão mudando de mãos e talvez se consolidando, e os países vizinhos podem continuar investindo na capacidade de produção de tissue, afetando, assim, as importações e exportações de Portugal.

Fonte: Fisher International

EMPRESAS  ASSOCIADAS

SINPAPEL

SINDICATO DAS INDÚSTRIAS DE CELULOSE, PAPEL E PAPELÃO NO ESTADO DE MINAS GERAIS

Rua Bernardo Guimarães, 63 - 3º andar

CEP: 30140-080 | Belo Horizonte - MG

sinpapel@fiemg.com.br

Tel: +51 (31) 3282 7455

© Copyright 2020 SINPAPEL. Todos os direitos reservados. Web Designer Ricardo Sodré