Pasta química de esterco bovino promete substituir a celulose e revolucionar fabricação de papel

Essa até o Mourão vai gostar! Pesquisadores brasileiros desenvolveram pasta química de esterco bovino que promete substituir a celulose de fonte madeireira e revolucionar a fabricação de papel. O projeto beneficia o meio ambiente, evitando a poluição do solo e diminuindo a emissão de CO2 pela decomposição deste material, e contribui com a indústria leiteira, já que a remoção dos dejetos demanda muitos esforços, afirma pesquisador. Brasil, é o maior exportador de celulose e, atualmente, o segundo maior produtor, ficando atrás apenas dos Estados Unidos. Utilizada na fabricação de um extenso leque de produtos, do papel ao tecido, a celulose abastece indústrias dos mais diversos segmentos. Por isso, a preservação dos recursos naturais que dão origem ao insumo é igualmente importante.


30/11/2021 - Essa até o Mourão vai gostar! Pesquisadores brasileiros desenvolveram pasta química de esterco bovino que promete substituir a celulose de fonte madeireira e revolucionar a fabricação de papel.


O projeto beneficia o meio ambiente, evitando a poluição do solo e diminuindo a emissão de CO2 pela decomposição deste material, e contribui com a indústria leiteira, já que a remoção dos dejetos demanda muitos esforços, afirma pesquisador.


MERCADO DA CELULOSE

Brasil, é o maior exportador de celulose e, atualmente, o segundo maior produtor, ficando atrás apenas dos Estados Unidos. Utilizada na fabricação de um extenso leque de produtos, do papel ao tecido, a celulose abastece indústrias dos mais diversos segmentos. Por isso, a preservação dos recursos naturais que dão origem ao insumo é igualmente importante.


Em 2020, o Paraná exportou cerca de US$ 1 bilhão em celulose, segundo um levantamento do Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (Mapa).


Essa é uma das missões do Sistema Fiep por meio do Instituto Senai de Tecnologia (IST) em Celulose e Papel: desenvolver pesquisas e projetos de inovação para melhor aproveitamento dos resíduos lignocelulósicos.



Celulose pode ser aplicados inclusive na indústria de biocombustíveis

O instituto Senai, localizado em Telêmaco Borba, tem atuado para mostrar a versatilidade dos resíduos de celulose, que podem ser aplicados inclusive na indústria de biocombustíveis. Desde 2020, o Instituto Senai em Celulose e Papel é credenciado pela Agência Nacional do Petróleo, Gás Natural e Biocombustíveis (ANP) e realiza pesquisas para reutilização dos resíduos na fabricação de combustíveis naturais.