Obras da megafábrica de celulose da Suzano avançam em Ribas do Rio Pardo

Em vídeo, a companhia divulgou importantes avanços da construção do Projeto Cerrado. As obras de construção da nova megafábrica de celulose da Suzano seguem avançando com importantes feitos registrados até o mês de junho. Dentre as etapas concluídas e entregues, destacam-se o estaqueamento e as fundações de dois componentes importantes para as futuras operações industriais: as máquinas extratoras de celulose e a caldeira de recuperação e de força – esta última que servirá para gerar o vapor necessário à produção de energia a partir de biomassa.



14/07/2022 - As obras de construção da nova megafábrica de celulose da Suzano seguem avançando com importantes feitos registrados até o mês de junho.


Dentre as etapas concluídas e entregues, destacam-se o estaqueamento e as fundações de dois componentes importantes para as futuras operações industriais: as máquinas extratoras de celulose e a caldeira de recuperação e de força – esta última que servirá para gerar o vapor necessário à produção de energia a partir de biomassa.


Também foi concluída a lagoa pluvial I, um dos reservatórios que irá receber as águas das chuvas e da drenagem das atividades industriais para posterior reaproveitamento.


Outra importante marca celebrada pela companhia são as 5 milhões de horas trabalhadas sem acidentes com afastamento, além do andamento de ações nas operações florestais e dos programas sociais.


Confira esses e outros avanços nos trabalhos no vídeo abaixo:



SOBRE O PROJETO CERRADO

Anunciado em maio de 2021 e confirmado pelo Conselho de Administração da Suzano no início de novembro do mesmo ano, o Projeto Cerrado será a unidade mais competitiva da companhia, com produção de 2,55 milhões de toneladas de celulose de eucalipto por ano.


Prevista para entrar em operação no segundo semestre de 2024, a nova fábrica receberá investimento total de R$ 19,3 bilhões e, no pico das obras, deverá gerar cerca de 10 mil empregos diretos. Quando estiver em operação, empregará 3 mil pessoas, entre colaboradores próprios e terceiros, nas áreas florestal e industrial, movimentando

toda a cadeia econômica da região.


Fonte: Tissue Online