Mudança no perfil do consumidor embala aumento na produção de celulose no Brasil

Entenda como a Valmet, líder global no fornecimento e desenvolvimento de tecnologias de processo, automação e serviços para o setor, está inserida neste aumento de capacidade produtiva. Mesmo com a transformação tecnológica em setores que tradicionalmente utilizam grandes quantidades de papel, como escritórios e indústrias gráficas, o segmento de celulose no Brasil tem registrado um grande aumento da capacidade produtiva na última década e buscado se adequar às constantes mudanças no consumo de papel. A pandemia, principal barreira para outros setores, ajudou a impulsionar ainda mais a demanda por produtos oriundos da celulose, como papéis tissue e cartão. Segundo levantamento da Valmet, o perfil do consumo mudou, mas o uso do insumo foi amplificado nos últimos dois anos.


23/11/2021 - Mesmo com a transformação tecnológica em setores que tradicionalmente utilizam grandes quantidades de papel, como escritórios e indústrias gráficas, o segmento de celulose no Brasil tem registrado um grande aumento da capacidade produtiva na última década e buscado se adequar às constantes mudanças no consumo de papel. A pandemia, principal barreira para outros setores, ajudou a impulsionar ainda mais a demanda por produtos oriundos da celulose, como papéis tissue (papel higiênico, lenços e toalhas de papel) e cartão (embalagens de alimentos).


Segundo levantamento da Valmet, líder global no fornecimento e desenvolvimento de tecnologias de processo para o setor, o perfil do consumo mudou, mas o uso do insumo foi amplificado nos últimos dois anos. A companhia finlandesa estima, inclusive, que a produção de celulose aumentará em torno de 20% até o ano de 2025 no Brasil.


De acordo com o diretor de Celulose e Energia da Valmet na América do Sul, Fernando Scucuglia, a crise sanitária obrigou o mundo moderno a reconhecer sua dependência de tais produtos. “Em uma sociedade cada vez mais urbana, tivemos o crescimento do material tissue, como lenços descartáveis, papel-toalha e papel de embalagem. O e-commerce e os aplicativos de comida nunca consumiram tanto papel, e a falta de matéria-prima foi sentida nos primeiros meses da pandemia, com uma demanda nunca antes vista, desencadeada pelas medidas protetivas, entre elas os protocolos de higienização, necessidade de redução de circulação de pessoas e pelo isolamento

social”, analisa o diretor.


OPORTUNIDADE PARA O BRASIL

Maior exportador mundial de celulose, o Brasil avançou 7,8% na produção do produto no último trimestre de 2020 – segundo maior volume desde o início do registro histórico, de acordo com levantamento da Indústria Brasileira de Árvores (Ibá). Mas, por que o país se destaca tanto entre a concorrência? A resposta está no solo brasileiro: com

as florestas mais produtivas do mundo, houve diminuição dos gastos logo no plantio da matéria-prima, fato que dá competitividade ímpar aos produtores de celulose e papel.


“Se pegarmos o eucalipto como exemplo, ele leva de 5 a 7 anos para estar pronto para o corte. Esse tempo é duas, três vezes menor que em outros países e isso é fundamental, já que as despesas de produção com matéria-prima representam de 60% a 70% dos gastos da indústria”, afirma Scucuglia.


Além disso, a área de plantio do eucalipto no Brasil não concorre com locais utilizados para a produção de alimentos, problema vivenciado pelos principais concorrentes. “O preço da polpa é mais baixo que na região escandinava, na Europa e nos EUA, então, nossos clientes têm maiores lucros nas negociações”, acrescenta.


CAPACIDADE PRODUTIVA

E, para acompanhar o movimento favorável do mercado, os principais fabricantes de celulose e papel com instalações em solo brasileiro têm investido em projetos de expansão: CMPC, Klabin, Bracell, LD Celulose, Suzano, Eldorado; todos em processo de ampliação e modernização em suas plantas. Com grandes projetos em solo brasileiro,

a América do Sul deverá aumentar sua capacidade produtiva em 35% até o ano de 2030.


Participando dos principais projetos do setor, a Valmet tem buscado desenvolver soluções em conjunto com os gigantes do segmento. “Recentemente tivemos o start up da MP 27 e da nova linha de fibras da Klabin com o primeiro digestor contínuo Valmet geração 3 (Valmet Continuos Cooking G3), áreas fundamentais para o aumento de capacidade de produção de embalagens da fábrica. Na Bracell, por exemplo, entregamos a maior planta de evaporação do mundo e a maior planta de licor branco sem utilização de queima de combustível fóssil, um marco para a América do Sul. E agora fomos escolhidos pela CMPC como principal parceira no projeto BioCMPC, que irá modernizar a unidade de Guaíba, incrementando a performance ambiental da unidade e aumentando a capacidade de produção da fábrica de celulose”, explica Fernando Scucuglia.


Para a Klabin, em Ortigueira (PR), a Valmet forneceu a máquina MP 27, que produz o Eukaliner®️, o primeiro do mundo produzido com 100% de celulose oriunda do eucalipto. Em Lençóis Paulista (SP), no Projeto Star da Bracell foram entregues uma planta de evaporação, uma planta de licor branco para a caustificação e dois fornos de cal com gaseificadores de biomassa, que serão os primeiros e maiores gaseificadores da América do Sul com geração de energia livre de combustíveis fósseis.


Já a LD Celulose, que será responsável pela produção de 500 mil toneladas de celulose solúvel por ano, adquiriu as linhas de fibras, secagem de celulose e enfardamento, além de uma planta de licor branco e uma planta de evaporação. A Valmet também ficará responsável por todo o sistema de automação da fábrica em Minas Gerais.


Além disso, recentemente foi anunciada a escolha da Valmet como principal parceira no projeto BioCMPC, a meta do projeto é melhorar ainda mais a performance ambiental da unidade em termos de emissões hídricas, gasosas e resíduos sólidos. Como benefício adicional, a unidade terá um aumento de capacidade de produção da linha 2 da fábrica de celulose de Guaíba, no Rio Grande do Sul, de 1,5 milhão de ADt/ano (toneladas secas ao ar por ano) para 1,85 milhão de ADt/ano.


Com conclusão prevista para final de 2023, a entrega da Valmet para a modernização da linha 2 da fábrica de celulose de Guaíba incluirá reformas na secagem de celulose, linha de fibras, evaporação e planta de licor branco, uma nova caldeira de recuperação e um novo tratamento de cinzas, além de uma ampliação no sistema digital de controle distribuído (SDCD) incluindo aplicações avançadas de internet industrial. A modernização da linha inclui melhorias para alta confiabilidade e desempenho com baixo impacto ambiental.


E O FUTURO?

De acordo com Scucuglia, além do aumento na capacidade produtiva, o Brasil também será protagonista de uma nova etapa da indústria de celulose, que contará com a difusão de produtos novos e sustentáveis.


“Seremos pioneiros na produção de fibra, papel tissue, embalagem e também na substituição de produtos com matéria-prima renovável, substituindo plástico e outros produtos desalinhados com o conceito “environmental friendly” por fibra de celulose a partir da nanotecnologia. A celulose é uma molécula flexível e pode ser utilizada em uma

infinidade de aplicações. Pelo protagonismo, seremos fundamentais nessa nova etapa do mercado, como nos avanços da Klabin na extração e refinação de lignina e na microfibra de celulose. O que hoje é uma fábrica de celulose poderá ser em futuro bem próximo uma biorrefinaria, com florestas certificadas como fonte de matéria-prima, produzindo fibra, papel, energia, fio de tecidos, metanol, ácido sulfúrico, lignina e outros produtos bioquímicos essenciais para a vida humana, com baixo impacto ambiental, através de processos sustentáveis e tecnologia de ponta”, completa.


Fonte: Tissue Online