Mercado de nanocelulose cresce de forma acentuada no Brasil e no mundo

Valmet celebra os bons resultados da parceria com a Klabin. Com o aumento das discussões acerca dos temas ambientais e a preferência por métodos de produção renováveis, a indústria de celulose e papel está cada vez mais atenta com o meio ambiente e passa a ampliar o uso de tecnologias sustentáveis. De acordo com relatório da MarketsandMarkets o crescimento global do mercado de nanocelulose será de 297 milhões de dólares em 2020. E até 2025 poderá aumentar para 783 milhões dólares.


18/08/2020 - Com o aumento das discussões acerca dos temas ambientais e a preferência por métodos de produção renováveis, a indústria de celulose e papel está cada vez mais atenta com o meio ambiente e passa a ampliar o uso de tecnologias sustentáveis. De acordo com relatório da MarketsandMarkets, empresa especializada em pesquisa de oportunidades emergentes, o crescimento global do mercado de nanocelulose será de 297 milhões de dólares em 2020. E até 2025 poderá aumentar para 783 milhões dólares.

Os produtos feitos a partir da nanocelulose, especificamente da celulose microfibrilada (MFC), são uma realidade em diversos setores. As fibras abaixo de 0.2 milímetros podem ser empregadas em etapas das indústrias de papel, agricultura, beleza, alimentos, têxtil, construção civil e podem, até mesmo, atuar como espessante e emulsificante no preparo de álcool antisséptico e álcool em gel, substituindo o carbômero, produto químico importado, pela fibra 100% celulósica. A MFC é sustentável, oriunda de um recurso renovável, e pode ser totalmente reciclada.

A Valmet, líder mundial no desenvolvimento e fornecimento de tecnologias, automação e serviços para os setores de celulose, papel e energia, é também pioneira em testes e refinação da fibra e segue investindo em inovações relacionadas à nanocelulose e MFC – mercados prósperos no Brasil e no mundo. Desde outubro de 2019, são realizados testes na planta de MFC no Parque de Plantas Piloto da Klabin, na Unidade Monte Alegre, em Telêmaco Borba (PR), na primeira planta compartilhada de extração de lignina e MFC do mundo, fornecida pela multinacional finlandesa.

“A partida da planta foi muito boa e, desde outubro de 2019, vem performando de maneira eficiente. Desenvolvemos, em parceria com a Klabin, uma área de refino, que é a alma da tecnologia de obtenção de MFC. Nosso modelo de disco de refinador atende ao objetivo da empresa de micromizar ainda mais a fibra, com alta qualidade e menor consumo de energia. Atualmente, chegamos ao ápice dentro de uma linha de MFC, que é mais de 100% de refino, ou seja, atendemos ao que foi planejado para a planta”, explica o especialista em Produtos de Refinação da Valmet América do Sul, Roberto Franchini.

Para o diretor de tecnologia industrial, inovação, sustentabilidade, projetos e P&D da Klabin, Francisco Razzolini, o MFC produzido na Unidade Monte Alegre abriu caminho para novos mercados além do papel para embalagem – área na qual a Klabin é líder na produção no Brasil e para exportação.

“Conseguimos fazer com que a MFC entrasse na composição do álcool em gel, com parcerias tecnológicas com outros centros de pesquisa, e chegamos a um produto que pode auxiliar nesse momento de crise pela pandemia provocada pela Covid-19  e que abre caminho para avançarmos em formulações sustentáveis para cosméticos”, comenta Razzolini.

A Klabin também possui planos para utilização da celulose microfibrilada em cartão para embalagem. “Estamos realizando testes em escala industrial para validar que a MFC tem uma performance diferenciada, e que confere melhor qualidade e desempenho aos nossos papéis e cartões. Os testes vão na direção de melhoria de performance tecnológica dos nossos produtos, e estamos até o momento bastante positivos com os resultados da MFC”, finaliza Razzolini.

Nova unidade de negócios

A Valmet estruturou recentemente, em Araucária (PR) e Sorocaba (SP), a unidade de negócios de Preparo de Massa (Stock Preparation-SPR) – formada por um portfólio de equipamentos e soluções responsáveis pelo processo de MFC, preparação da massa de fibra de celulose e fibra reciclada, utilizada como matéria-prima para a produção de papel. A nova unidade de negócio faz parte do conjunto de medidas que formulam o novo posicionamento estratégico da empresa, com o objetivo de aumentar sua participação no mercado global de papel e celulose, iniciado em fevereiro do ano passado, após a aquisição da companhia canadense GLV, referência na indústria de Preparo de Massa em todo o mundo.

Fonte: Celulose Online

EMPRESAS  ASSOCIADAS

SINPAPEL

SINDICATO DAS INDÚSTRIAS DE CELULOSE, PAPEL E PAPELÃO NO ESTADO DE MINAS GERAIS

Rua Bernardo Guimarães, 63 - 3º andar

CEP: 30140-080 | Belo Horizonte - MG

sinpapel@fiemg.com.br

Tel: +51 (31) 3282 7455

© Copyright 2020 SINPAPEL. Todos os direitos reservados. Web Designer Ricardo Sodré