Mercado de celulose fluff deve crescer em 2022

Preços recordes e demanda em recuperação elevarão o consumo global para 6,9 milhões de toneladas métricas secas ao ar neste ano, de acordo com relatório da Smithers. A indústria de celulose fluff deve ter um ano de expansão em 2022, com preços recordes e demanda em recuperação, elevando o consumo global para 6,9 milhões de toneladas métricas secas ao ar (air dry metric ton). Isso renderá um valor de mercado de US$ 8,31 bilhões, acima dos US$ 6,88 bilhões em 2021, de acordo com a previsão exclusiva do novo estudo de mercado da Smithers, “O Futuro da Celulose Fluff para 2027”.


Foto: Tissue Online


19/04/2022 - A indústria de celulose fluff deve ter um ano de expansão em 2022, com preços recordes e demanda em recuperação, elevando o consumo global para 6,9 milhões de toneladas métricas secas ao ar (air dry metric ton). Isso renderá um valor de mercado de US$ 8,31 bilhões, acima dos US$ 6,88 bilhões em 2021, de acordo com a previsão exclusiva do novo estudo de mercado da Smithers, “O Futuro da Celulose Fluff para 2027”.


No início do ano, o preço da celulose fluff estava se aproximando de US$ 2.000 por tonelada seca ao ar – quase duas a quatro vezes sua média histórica. A demanda foi estimulada pela recuperação da economia mundial pós-covid e fortalecida pela demanda por materiais mais sustentáveis ​​em aplicações de higiene (fraldas, produtos para incontinência adulta e de higiene feminina) e nonwovens, especialmente lenços umedecidos.


A análise da Smithers dedicada neste segmento examina as perspectivas para este ano crítico e de longo prazo até 2027 – com uma análise específica sobre a demanda atual e futura, capacidades e investimentos de fábricas de fluff e tecnologias competitivas.


Apesar de várias expansões de fábricas na América do Sul nos últimos cinco anos, em 2022, a oferta global de celulose fluff permanece limitada, mesmo com o fato de que a demanda continua crescendo. A produção oscilante – fábricas mudando da produção de celulose solúvel ou de papel para celulose fluff – será fundamental no curto e médio prazo para atender às demandas dos clientes. O volume de produção oscilante agora e até 2027 é analisado em profundidade pela Smithers, juntamente com expansões de plantas anunciadas e não anunciadas para o período de previsão.


Segundo estudo, o consumo mundial de celulose fluff aumentará para 8,13 milhões de toneladas secas ao ar em 2027; equivalente a uma taxa de crescimento anual composta (CAGR) de 3,4% para 2022-2027. O mercado não conseguirá sustentar os preços recordes vistos no primeiro semestre de 2022, mas permanecerá dinâmico. A Smithers prevê que o valor global chegará a US$ 8,63 bilhões em 2027, à medida que os preços e a oferta se ajustam às normas históricas.


A América do Norte é o principal produtor de celulose fluff, e em 2022 é a única região do mundo que é exportadora líquida, embora se preveja que em breve se juntará à América do Sul. A nova demanda até 2022-2027 virá principalmente da Ásia, que consumirá 2,9 milhões de toneladas secas ao ar avaliadas em US$ 3 bilhões em 2022, e deve desenvolver sua primeira indústria nacional de produção de celulose fluff no decorrer do ano.


A adição de absorção aos produtos de higiene descartáveis ​​continua sendo o principal uso da celulose fluff. Consequentemente, o uso do material acompanhará a demanda por produtos de higiene e outros nonwovens na economia pós-covid. Na América do Norte e na Europa Ocidental, esses segmentos de consumidores estão relativamente maduros e enfrentam alguns desafios distintos que mudarão os padrões de consumo de celulose fluff. Os produtos de higiene serão responsáveis ​​por quase 90% dos volumes globais em 2022, mas as mudanças de design significarão que o crescimento será essencialmente estável até 2027. Isso inclui maiores vendas de fraldas que usam

menos ou nenhuma celulose fluff em seus núcleos absorventes.


O crescimento será muito mais rápido em aplicações de substrato nonwoven, especialmente em fabricação de airlaid, apoiado pela tendência global de eliminação de plásticos e resíduos plásticos, especialmente em lenços umedecidos. A celulose fluff é uma das matérias-primas mais sustentáveis ​​no inventário de nonwovens, os lenços podem conter 80-85% de celulose fluff; e isso pode subir para 90% para outros produtos como toalhas de mesa. A P&D agora está focada no desenvolvimento de linhas de produtos biodegradáveis ​​com airlaid, sem aglutinantes, plásticos ou fibras adesivas. Há também um mercado pequeno, mas em rápida aceleração, para celulose fluff em spunlace nonwovens.


As madeiras macias do sul continuarão sendo as principais espécies arbóreas usadas na celulose fluff, que será complementada por outras espécies, incluindo eucalipto da América do Sul, e um uso limitado de celulose fluff feita de fontes recuperadas/recicladas.


O mercado histórico, atual e futuro de celulose fluff globalmente é examinado de forma especializada e crítica no novo relatório da Smithers “O Futuro da Celulose Fluff para 2027”.


Fonte: Tissue Online