Investimento da Suzano será superior a R$ 13 bilhões em 2022

De acordo a companhia, o montante é explicado principalmente pelos R$ 7,3 bilhões que serão aplicados na construção do Projeto Cerrado. A Suzano deve investir R$ 13,6 bilhões em 2022 – montante 119% superior aos R$ 6,2 bilhões previstos na conclusão deste ano. De acordo a companhia, a variação é explicada principalmente pelos R$ 7,3 bilhões que serão aplicados na construção da nova fábrica de celulose, o Projeto Cerrado, em Ribas do Rio Pardo (MS). O investimento total previsto no projeto é de R$ 19,3 bilhões, com a maior parte dos recursos sendo desembolsada entre 2022 e 2023. A unidade terá capacidade produtiva de 2,55 milhões de toneladas de celulose por ano, com operação prevista para o segundo semestre de 2024 e o menor custo caixa de produção dentre as plantas da Suzano.



16/12/2021 - A Suzano deve investir R$ 13,6 bilhões em 2022 – montante 119% superior aos R$ 6,2 bilhões previstos na conclusão deste ano. De acordo a companhia, a variação é explicada principalmente pelos R$ 7,3 bilhões que serão aplicados na construção da nova fábrica de celulose, o Projeto Cerrado, em Ribas do Rio Pardo (MS).


O investimento total previsto no projeto é de R$ 19,3 bilhões, com a maior parte dos recursos sendo desembolsada entre 2022 e 2023. A unidade terá capacidade produtiva de 2,55 milhões de toneladas de celulose por ano, com operação prevista para o segundo semestre de 2024 e o menor custo caixa de produção dentre as plantas da Suzano.


Além do novo empreendimento, que inclui investimentos industriais, florestais, infraestrutura e logística, a companhia prevê um capex de manutenção de R$ 5 bilhões para o próximo ano. O orçamento de 2022 também abrange R$ 700 milhões em projetos de expansão, modernização, terminais portuários e outros, e R$ 600 milhões em terras e florestas.


Originada a partir da fusão entre a Suzano Papel e Celulose e a Fibria, no início de 2019, a Suzano S.A. investiu R$ 10 bilhões nos últimos dois anos. Com os R$ 6,2 bilhões de 2021 e a soma projetada para o próximo ano, a empresa deverá encerrar o primeiro quadriênio pós-fusão com desembolso total de R$ 29,8 bilhões.


“São investimentos que ampliam nossa competitividade, tornam nossas operações mais sustentáveis, abrem novas avenidas de crescimento e nos permitem estar preparados para atender o consistente aumento da demanda por nossos produtos, feitos a partir da árvore, uma matéria-prima de origem renovável”, diz o presidente da Suzano, Walter Schalka.


Fonte: Tissue Online