International Council of Forest and Paper Associations divulga Relatório Progresso Sustentabilidade

Entre os 28 países participantes, Brasil se destaca com três indicadores e dois cases de sucesso. O International Council of Forest and Paper Associations (ICFPA), fórum global de diálogo que inclui os principais produtores de celulose, papel e madeira do mundo, divulgou seu Relatório de Progresso de Sustentabilidade bienal que demonstra o crescimento de sete áreas-chave da sustentabilidade, mesmo diante à pandemia Covid-19. O relatório 2021 mostra o avanço em, praticamente, todos os indicadores de desempenho, no qual foram utilizados dados recentes disponíveis, entre 2018 e 2019.



04/05/2021 - O International Council of Forest and Paper Associations (ICFPA), fórum global de diálogo que inclui os principais produtores de celulose, papel e madeira do mundo, divulgou seu Relatório de Progresso de Sustentabilidade bienal que demonstra o crescimento de sete áreas-chave da sustentabilidade, mesmo diante à pandemia Covid-19. Entre os 28 países participantes, o Brasil se destaca com três indicadores e dois cases de sucesso.

“Diante da maior crise econômica e de saúde de nossas vidas, somos lembrados de que o setor florestal global tem o potencial de enfrentar alguns de nossos desafios sociais, ambientais e econômicos mais urgentes”, observou o presidente do ICFPA, Derek Nighbor, e também presidente e diretor executivo da Associação de Produtos Florestais do Canadá.

O relatório 2021 mostra o avanço em, praticamente, todos os indicadores de desempenho, no qual foram utilizados dados recentes disponíveis, entre 2018 e 2019. Houve aumento em certificação no mundo com 52,6% da fibra de madeira utilizada com origem em florestas de gestão sustentável certificadas por terceiros, um aumento de 41% em relação ao ano base 2000. De acordo com o Relatório da Indústria Brasileira de Árvores (Ibá)/Fundação Getúlio Vargas (FGV) 2020, no Brasil, todas as empresas exportadoras de papel e de celulose são certificadas. O setor conta com uma área total certificada de 7,4 milhões de hectares. Se por um lado a área plantada do setor cresceu 18% entre 2013 e 2019; a área certificada no mesmo período cresceu 37%; contribuindo significativamente para o incremento do dado global, apresentado pelo ICFPA.

Outro importante indicador do relatório do ICFPA é a participação da biomassa florestal e outras fontes renováveis de energia utilizada pelo setor, representando 64,9% do total. No Brasil, as empresas se destacam pela busca de diversas fontes renováveis para geração de energia, contando com uma participação (90%) de energia renovável em sua matriz, o que significa uma grande contribuição para uma matriz energética renovável, em linha com o ODS 7 da Agenda 2030 da ONU e o Acordo de Paris. Além de produzir bioenergia para uso próprio, o setor é grande exportador de energia elétrica, contribuindo para segurança energética nacional. De 2014 a 2019, a produção de energia elétrica do setor aumentou 22% e a venda para o sistema elétrico nacional aumentou 78%.

Em 2019, 59,1% do papel e papelão consumidos globalmente foram usados pelas fábricas para novos produtos, marcando um aumento de 12,6 pontos percentuais na taxa de reciclagem global desde o ano 2000. O Brasil figura entre os principais países recicladores do mundo desses materiais. Em 2019, o consumo de aparas foi de 4,9 milhões de toneladas e a taxa de reciclagem ficou em 66,9%.

“O setor de árvores cultivadas investe continuamente no avanço da silvicultura no País. Na busca do desenvolvimento e da inovação, o setor persegue crescentes padrões de produtividade, sustentabilidade, transparência, no cumprimento de compromissos e metas, no âmbito regional, nacional e internacional”, complementa o Embaixador José Carlos da Fonseca Jr., diretor executivo da Ibá.

Para Wilson Andrade, diretor executivo da Associação Baiana das Empresas de Base Florestal (ABAF), o relatório é importante porque reforça o posicionamento do setor florestal e seu trabalho organizado, com eficiência e profissionalismo, inclusive no trato das questões de sustentabilidade. “Este documento dá credibilidade ao trabalho constante na direção de o setor ser cada vez mais sustentável. Tudo isso fortalece nossa missão de produzir mais com menos”.