Empapel encerra 2020 com produção recorde desde julho

Mercado de embalagens de papel e papelão ondulado avançou emritmo acelerado. Previsão é de que continue em crescimento no primeiro trimestre de 2021. O mercado de embalagens de papel e papelão ondulado, setor que serve de referência para o ritmo da indústria, manteve crescimento contínuo desde julho.


26/01/2021 - O mercado de embalagens de papel e papelão ondulado, setor que serve de referência para o ritmo da indústria, manteve crescimento contínuo desde julho. Em novembro de 2020 a expedição de caixas, acessórios e chapas de papelão ondulado teve aumento de 4,2%, em relação ao mesmo período em 2019, com novo registro de recorde mensal, segundo dados prévios da nova associação do setor, a Empapel, Associação Brasileira de Embalagens em Papel.


A previsão da associação, a partir de dados da FGV (em perspectiva moderada) é de crescimento de 7,3%, em dezembro de 2020, em relação ao mesmo período do ano anterior. “O mercado interno continua aquecido. A projeção é de que de janeiro a dezembro de 2020, o crescimento do setor seja de cerca de 5,4%, em comparação a 2019. A nossa expectativa é que continue assim no primeiro trimestre de 2021.”, afirma Gabriella Michelucci, presidente da Empapel.


CRESCIMENTO DO COMÉRCIO ELETRÔNICO E DELIVERY

De acordo com dados da Associação Brasileira de Comércio Eletrônico (ABComm), entre abril e setembro, o que engloba os segundo e terceiro trimestres do ano, 11,5 milhões de pessoas fizeram sua primeira compra online.


O comércio online cresceu 80% e seu faturamento foi 75,5% maior na comparação com o mesmo período de 2019. O salto foi de R$ 44 bilhões para R$ 77,2 bilhões nos primeiros oito meses do ano. O comércio eletrônico no Brasil, antes da pandemia, representava pouco mais de 5% das vendas totais do varejo. Depois, subiu para 12%. Sobre a Empapel


A Empapel, Associação Brasileira de Embalagens em Papel, surge como uma novidade no lugar da Associação Brasileira do Papelão Ondulado (ABPO) – que desde 1974 representou o segmento. A nova associação chega com objetivo de ampliação de mercado para outros tipos de embalagens de papel, além do papelão ondulado.


A Empapel nasce com a importante missão de trabalhar todo o potencial do insumo em um cenário em que os consumidores estão cada vez comprometidos com a economia circular — conceito que promove novas maneiras de produzir e consumir, que gerem recursos à longo prazo.


Atualmente, 67% das embalagens brasileiras são produzidas com fibras recicladas. A taxa de recuperação do papel produzido no Brasil para o mercado interno é de 86,3%. O Brasil está entre os principais países recicladores de papel do mundo, com 4,1 milhões de toneladas retornando para o processo produtivo, segundo dados da Indústria Brasileira de Árvores (Ibá), de 2019.


Há muito trabalho pela frente, como ponto de partida, a nova entidade acompanha o setor de perto, com boletins analíticos produzidos pela Fundação Getúlio Vargas (FGV). Com este trabalho é possível identificar as necessidades do mercado, além de diferentes oportunidades de investimentos e negócios.


Fonte: Celulose Online