Diretor-geral da Klabin afirma que é necessário tangibilizar ações de sustentabilidade

Segundo Cristiano Teixeira, é papel fundamental das empresas influenciar positivamente seus clientes e acionistas para que se atentem à urgência destes assuntos. A Klabin é uma das maiores produtoras e exportadoras de papéis para embalagens do Brasil, com participação também nos mercados de embalagens de papel ondulado e celulose, e tem se destacado por promover a bioeconomia circular, buscando reduzir os impactos das mudanças climáticas do país. A companhia está presente em unidades florestais de Mata Atlântica, e evidencia que é possível trabalhar com extração de árvores e, ainda assim, promover o uso responsável eficiente e sustentável dos recursos naturais.


Foto: Tissue Online


25/01/20222 - A Klabin é uma das maiores produtoras e exportadoras de papéis para embalagens do Brasil, com participação também nos mercados de embalagens de papel ondulado e celulose, e tem se destacado por promover a bioeconomia circular, buscando reduzir os impactos das mudanças climáticas do país.


A companhia está presente em unidades florestais de Mata Atlântica, e evidencia que é possível trabalhar com extração de árvores e, ainda assim, promover o uso responsável eficiente e sustentável dos recursos naturais. O diretor-geral da Klabin, Cristiano Teixeira, afirma que as empresas podem – e devem – fazer mais pela preservação do planeta, independente da área de atuação, e que não há mais tempo para postergar iniciativas sustentáveis.


“A discussão sobre biodiversidade e o aquecimento global não é tangível para a maioria das pessoas”, afirma Teixeira, em entrevista para podcast. Para o executivo, o título de “Biopersonalidade do Ano”, que foi conquistado em 2021 no Fórum Mundial de Bioeconomia, mostra que o trabalho de desenvolvimento de novos produtos e soluções que atendam às necessidades da bioeconomia impulsiona a cadeia de sustentabilidade.


Segundo o diretor-geral da Klabin, é papel fundamental das empresas influenciar positivamente seus clientes e acionistas para que se atentem à urgência destes assuntos e promovam mudanças significativas, que beneficiem o planeta. “Nosso papel hoje, como representantes do setor privado, ou diante dos nossos pares no setor público, é conscientizar, é tangibilizar o que precisa ser feito”, diz.


Além de implementar no dia a dia uma gestão orientada para o desenvolvimento sustentável, que busque o crescimento integrado e responsável, com produção e consumo sustentável da madeira, fortalecimento das capacidades produtivas de proprietários rurais para o manejo responsável das florestas, a empresa também busca fornecedores e parceiros de negócio alinhados aos mesmos valores de ética, transparência e respeito aos princípios de sustentabilidade.


“A Klabin tem formas de manejar a floresta. Na Mata Atlântica, em metade do solo podemos fazer novos plantios, e na outra metade mantemos a floresta. Nessa que mantemos, temos a característica do estoque de carbono, o que já é um serviço ambiental valioso. Promovemos o manejo responsável do solo, em uma transformação responsável da árvore em produto”, garante Teixeira.


Fonte: Tissue Online