Confiança caiu em 22 de 30 setores industriais, aponta CNI

As principais quedas de confiança em outubro ocorrem em: outros equipamentos de transporte; celulose, papel e produtos de papel; e serviços especializados para construção. O Índice de Confiança do Empresário Industrial (ICEI) caiu em 22 dos 30 setores industriais consultados pela CNI, em outubro. Apesar disso, o indicador de todos os setores segue acima dos 50 pontos, em uma sinalização de que os empresários de todos os setores se mostram confiantes. O índice varia de 0 a 100 pontos, com uma linha de corte em 50, o que divide a confiança da falta de confiança. De acordo com a economista da CNI, Larissa Nocko, o que puxou a queda dos setores foi a piora na percepção sobre as condições atuais da economia e da empresa.



04/11/2021 - O Índice de Confiança do Empresário Industrial (ICEI) caiu em 22 dos 30 setores industriais consultados pela Confederação Nacional da Indústria (CNI), em outubro. Apesar disso, o indicador de todos os setores segue acima dos 50 pontos, em uma sinalização de que os empresários de todos os setores se mostram confiantes. O índice varia de 0 a 100 pontos, com uma linha de corte em 50, o que divide a confiança da falta de confiança.


De acordo com a economista da CNI, Larissa Nocko, o que puxou a queda dos setores foi a piora na percepção sobre as condições atuais da economia e da empresa. “As expectativas para os próximos seis meses continuam positivas, por isso o ICEI de todos os setores se mantêm acima dos 50 pontos”, explica Larissa.


Acesse AQUI a entrevista com a economista da CNI, Larissa Nocko, em 4k e 60 FPS.


Os setores com as maiores quedas de confiança em outubro foram: Outros equipamentos de transporte, o ICEI do setor passou de 58,1 para 53,9 pontos entre setembro e outubro; Celulose, papel e produtos de papel, que caiu de 58,4 para 55,5 pontos; e Serviços especializados para construção teve queda de 56,8 para 54,2 pontos no mesmo

período.


Os setores com os avanços mais significativos de confiança foram: Couro e artefatos de couro, que subiu de 56,1 em setembro para 60,7 pontos em outubro; Impressão e reprodução de gravações, que passou de 55,1 para 57,1 pontos entre um mês e outro; e Móveis, que teve um acréscimo de 1,9 ponto na confiança. O índice saiu 54,7 pontos para 56,6 pontos.


Foram consultadas 2.413 empresas, entre elas, 961 de pequeno porte, 890 de médio porte e 562 de grande porte, entre 1º e 15 de outubro de 2021.


Fonte: Celulose Online