Celulose, mineração e siderurgia: XP projeta mercado mais equilibrado em 2022

Enquanto o mercado está preocupado com a ideia de que a celulose de fibra curta na China tem risco de cair ainda mais, a XP acha que os preços podem surpreender. Alguns motivos explicam a visão otimista da corretora: (i) curvas de start-up e rampup abaixo do esperado, juntamente com fechamentos de capacidade não antecipadas; (ii) demanda ainda saudável, impulsionada pelo crescimento do PIB; (iii) restrições de oferta afetando produtores de celulose que dependem da importação de cavacos de madeira; e (iv) elevação da curva de custo marginal.


Money Times/ Gustavo Kahil


06/01/2022 - A XP Investimentos projeta um cenário mais equilibrado para grande parte dos setores de mineração, siderurgia e papel e celulose em 2022.


Após um desempenho robusto em 2021, principalmente por parte das siderúrgicas, a corretora acredita que o mercado verá preços mais moderados no próximo ano, com riscos limitados de queda em um contexto de crescimento do Produto Interno Bruto (PIB) global ainda forte, política expansionista e aumento dos custos.


CELULOSE PODE SUEPREENDER

Enquanto o mercado está preocupado com a ideia de que a celulose de fibra curta na China tem risco de cair ainda mais, a XP acha que os preços podem surpreender.


Alguns motivos explicam a visão otimista da corretora: (i) curvas de start-up e rampup abaixo do esperado, juntamente com fechamentos de capacidade não antecipadas; (ii) demanda ainda saudável, impulsionada pelo crescimento do PIB; (iii) restrições de oferta afetando produtores de celulose que dependem da importação de cavacos de madeira; e (iv) elevação da curva de custo marginal.


A XP projeta para a celulose de fibra curta uma média em US$ 580 a tonelada em 2022, que, “junto com o real em níveis desvalorizados, deve manter as margens dos produtores brasileiros de celulose saudáveis”.


Por outro lado, o cenário dos produtores de papel de embalagem, que registraram um dos melhores anos em 2021 por conta das tendências digitais e de sustentabilidade, deve ficar mais calmo, tendo a melhor época ficado para trás.


AÇÕES PREFERIDAS

Em PAPEL E CELULOSE, a XP segue com recomendação de compra para Klabin (KLBN11), mas está rebaixando a indicação da Irani (RANI3) para neutra.


Apesar de não ver novos picos de valor, a XP indica a compra da ação da Vale (VALE3) e da CSN Mineração (CMIN3), com preferência pela primeira.


“Vemos potencial de valorização em termos de valuation, além do pagamento de dividendos robustos e recompras de ações para as mineradoras brasileiras”, explicam Vidal e Carmo.


Entre as siderúrgicas, a preferência vai para Gerdau (GGBR4), dada a sua exposição a aços longos. A XP tem recomendação de compra para a ação preferencial da empresa. Para Usiminas (USIM5), o rating é neutro.


Outra ação comentada pela corretora é da CBA (CBAV3), com recomendação de compra. Na avaliação dos analistas, o déficit global na indústria do alumínio manterá altos preços e prêmios do material, que também se beneficia do aumento dos custos de energia em todo o mundo.


Fonte: Money Times