Celulose deve enfrentar período difícil

Os produtores de celulose da América Latina continuam competitivos, apesar dos preços baixos da fibra e do impacto da pandemia de covid-19 na demanda, na avaliação da Moody’s Investors Service. Além disso, a maior parte dessas companhias tem liquidez adequada para honrar compromissos financeiros nos próximos dois a três anos, aponta a agência de classificação de risco, em relatório sobre o setor de C&P.



23/06/2020 - A celulose deve ter meses difíceis à frente. Produtores dos diferentes tipos de fibra estão se preparando para esse cenário, por causa da sazonalidade negativa e do impacto da pandemia de Covid-19 na economia global, particularmente na demanda de papéis de imprimir e escrever. Além disso, há receio quanto ao esfriamento da produção de papéis tissue mundo afora, após o início de ano de consumo acelerado pela crise sanitária.

O desequilíbrio entre oferta e demanda nos próximos meses deve levar a uma nova onda de paradas e fechamentos em fábricas de celulose de fibra longa, e é possível que produtores de fibra curta também recorram à estratégia, seja para evitar mais erosão dos preços, seja porque as cotações estão abaixo do custo de produção há vários meses.

Para os analistas Cadu Schmidt, Andreas Bokkenheuser, Mikael Doepel, Wenzhuo Du, Cleve Rueckert e Khalid McCaskill, do UBS, o excesso de oferta neste ano seria da ordem de 3 milhões de toneladas e há risco de mais desvalorização caso fechamentos de capacidade “significativos” não se materializarem. Até agora, anúncios dessa natureza e relacionados aos impactos da Covid-19 estão retirando cerca de 530 mil toneladas de celulose do mercado neste ano, pelos cálculos do banco

Uma eventual queda dos preços em relação aos níveis atuais, porém, não seria tão forte, na avaliação do analista Daniel Sasson, do Itaú BBA. Há nove meses, segundo o especialista, produtores de alto custo sofrem com os preços em torno de US$ 460 e US$ 470 por tonelada da fibra curta na China, abaixo, portanto, do custo de produção. E, se as cotações permanecerem nesses níveis, não surpreenderá se houver anúncios de fechamento de capacidade ou de paradas de manutenção sendo estendidas. “Por isso, acho que os preços têm espaço limitado para quedas fortes dos patamares atuais”, afirma.

Os preços da fibra curta na China e na Europa iniciaram a última semana praticamente estáveis, na comparação com a semana anterior, mas não alteraram a percepção de que pode haver novo recuo no curtíssimo prazo, uma vez que as cotações dos papéis de imprimir e escrever e dos não revestidos colapsaram com a pandemia. De acordo com a Fastmarkets Foex, o preço líquido da celulose de fibra curta negociada na China recuou US$ 0,30, a US$ 465,32 a tonelada – para efeito de comparação, na segunda metade de dezembro, o preço estava em US$ 457,60 e, neste ano, os produtores anunciaram um aumento de US$ 30 por tonelada para aquele mercado. Na Europa, ficou estável em US$ 680 por tonelada.

Na fibra longa, os preços caíram mais na China e produtores de outras regiões já começaram a anunciar a paralisação das operações. O anúncio mais recente foi feito pela Paper Excellence, relativamente à unidade de Mackenzie, no Canadá, e vale a partir do fim do mês. Segundo uma fonte do setor, mais produtores devem tomar medida similar no terceiro trimestre. Os preços desse tipo de celulose caíram US$ 0,38 no mercado chinês na última semana, a US$ 570,77 por tonelada, mas subiram US$ 0,68 na Europa, para US$ 858,92 por tonelada.

Se abril e maio ainda foram considerados meses bons em volume para os produtores de celulose, em junho, a demanda não parece manter o mesmo vigor e a postergação de paradas para manutenção em fábricas para o segundo semestre, Cor causa da covid-19, elevou a oferta da matéria-prima.

Segundo o UBS, que desenvolveu um modelo quantitativo que projeta os embarques de celulose para a China em três ou quatro meses à frente, os volumes devem recuar 1% no segundo trimestre, na comparação anual, depois do salto de 21% nos três primeiros meses do ano – a taxa elevada é explicada, em parte, pela fraca base de comparação.

Neste momento, participantes do mercado tentam entender se a demanda adicional de celulose, suportada pelo tissue, será suficiente para compensar a forte queda no mercado de papel de imprimir e escrever. Entre produtores, a avaliação é a de que a demanda será “desafiadora” nos próximos meses e a oferta, o fiel da balança.

Fonte: Valor Econômico (Tissue Online)

EMPRESAS  ASSOCIADAS

SINPAPEL

SINDICATO DAS INDÚSTRIAS DE CELULOSE, PAPEL E PAPELÃO NO ESTADO DE MINAS GERAIS

Rua Bernardo Guimarães, 63 - 3º andar

CEP: 30140-080 | Belo Horizonte - MG

sinpapel@fiemg.com.br

Tel: +51 (31) 3282 7455

© Copyright 2020 SINPAPEL. Todos os direitos reservados. Web Designer Ricardo Sodré