Aumento da taxa SELIC é visto com preocupação pelo setor produtivo

Decisão é mais um indicativo de que a elevação dos juros seguirá refreando a atividade econômica. A decisão de elevação da taxa SELIC de 5,25% para 6,25% ao ano é recebida com preocupação pela FIEMG. O aumento de 1 ponto percentual da SELIC é mais um indicativo de que a elevação dos juros seguirá refreando a atividade econômica. A fraqueza da retomada econômica está refletida no PIB do segundo trimestre, que veio com um resultado abaixo das expectativas, e no mercado de trabalho, que registra uma taxa de desemprego em patamar historicamente elevado, com mais de 14,6 milhões de desempregados.



23/09/2021 - A decisão de elevação da taxa SELIC de 5,25% para 6,25% ao ano é recebida com preocupação pela FIEMG. O aumento de 1 ponto percentual da SELIC é mais um indicativo de que a elevação dos juros seguirá refreando a atividade econômica.


A fraqueza da retomada econômica está refletida no PIB do segundo trimestre, que veio com um resultado abaixo das expectativas, e no mercado de trabalho, que registra uma taxa de desemprego em patamar historicamente elevado, com mais de 14,6 milhões de desempregados. A indústria enfrenta dificuldades para manter os níveis de produção em decorrência da interrupção das cadeias globais de oferta e pela falta de insumos. Prospectivamente, a crise hídrica e a possibilidade de racionamento energético são riscos cada vez mais latentes à atividade econômica.


No cenário externo, a redução nos preços das commodities alimentícias e industriais e a estabilidade da taxa de câmbio limitam os repasses dos preços internacionais para o mercado doméstico, descomprimindo a inflação.


É prudente que haja uma reavaliação da velocidade do processo de normalização monetária nas próximas reuniões do COPOM. A elevação da taxa de juros agrava o cenário prospectivo e coloca em risco a recuperação da atividade econômica, com efeitos diretos sobre a retomada do emprego e da renda em 2021 e em 2022.


Fonte: FIEMG