Ações do setor de papel e celulose têm alta na Bolsa de Valores

A pandemia do coronavírus trouxe uma nova realidade que impulsionou o desempenho de determinadas ações e setores na Bolsa de Valores no último ano. Os segmentos são beneficiados, sobretudo, pelo cenário de isolamento social e as mudanças no ambiente de trabalho e doméstico.



05/01/2020 - A pandemia do coronavírus trouxe uma nova realidade que impulsionou o desempenho de determinadas ações e setores na Bolsa de Valores no último ano. Os segmentos são beneficiados, sobretudo, pelo cenário de isolamento social e as mudanças no ambiente de trabalho e doméstico.


Mesmo com as tensões políticas ao longo do ano e os impactos nos mercados emergentes em momentos de aversão a risco, algumas companhias conseguiram crescer na esteira do desempenho de outros setores, de acordo com o analista da Guide Investimentos, Henrique Esteter.


Um dos mercados positivamente afetados por esse contexto foi o de papel e celulose. Para o analista de siderurgia e mineração da XP Investimentos, Yuri Pereira, a pandemia acelerou mudanças que já estavam em curso no setor no que diz respeito à substituição de outros materiais por papel.


“As mudanças estruturais que vinham acontecendo, como o e-commerce, acabaram ganhando força. Nesse sentido, cresceu a compra pela internet e o delivery de alimentos, setores que demandam bastante papelão. Algumas companhias de embalagens têm conseguido margens boas. O setor tem se mostrado forte”, comentou o analista, dando destaque para a Klabin.


De 26 de fevereiro até o fim de 2020, a Klabin avançou 32,35% na B3. Já a Suzano apresentou ganhos de 51,66% no intervalo.


Fonte: Tisse Online