A agenda da biodiversidade é fundamental para o futuro da humanidade

Os impactos ambientais decorrentes do uso irracional dos recursos naturais, a perda de biodiversidade, o esgotamento dos solos e da água, a extinção de espécies e desconhecimento sobre os recursos da diversidade biológica exigem transformar as formas pelas quais o ser humano se relaciona com a natureza. Sem isso, os impactos podem se tornar irreversíveis e trarão custos fabulosos para toda a sociedade. Esta é uma das conclusões centrais do relatório “Relatório de Avaliação Global sobre Biodiversidade e Serviços Ecossistêmicos”, publicada pelo Intergovernmental Science-Policy Platform for Biodiversity and Ecosystem Services (IPBES). Para se trilhar uma rota alternativa deste quadro é fundamental fortalecer os valores da biodiversidade perante os países, empresas e sociedade, visando criar soluções que permitam transformar impactos em ações ganha-ganha de desenvolvimento sustentável.


*Patrícia Machado, **Rodrigo Lima e ***Giuliane Bertaglia

14/10/2021 - Os impactos ambientais decorrentes do uso irracional dos recursos naturais, a perda de biodiversidade, o esgotamento dos solos e da água, a extinção de espécies e desconhecimento sobre os recursos da diversidade biológica exigem transformar as formas pelas quais o ser humano se relaciona com a natureza. Sem isso, os impactos podem se tornar irreversíveis e trarão custos fabulosos para toda a sociedade.

Esta é uma das conclusões centrais do relatório “Relatório de Avaliação Global sobre Biodiversidade e Serviços Ecossistêmicos”, publicada pelo Intergovernmental Science-Policy Platform for Biodiversity and Ecosystem Services (IPBES).

Para se trilhar uma rota alternativa deste quadro é fundamental fortalecer os valores da biodiversidade perante os países, empresas e sociedade, visando criar soluções que permitam transformar impactos em ações ganha-ganha de desenvolvimento sustentável, tendo a biodiversidade como centro das discussões e alinhada com os Objetivos de Desenvolvimento Sustentável (ODS) da Agenda 2030 das Nações Unidas.

Este é o grande desafio na construção do novo Marco Global da Biodiversidade Pós 2020 que será acordado na COP15 da Convenção da Diversidade Biológica (CDB). Entre 11 e 15 de outubro de 2021, ocorre em kunming, na China, a 1ª sessão da COP15. Neste encontro, deverá ser aprovada a “Declaração de Kunming, um documento político, proposto pelo Governo da República Popular da China, que estabelece compromissos amplos sobre o Marco Global para a Biodiversidade Pós-2020 com o título “Ecological Civilization: Building a Shared Future for All Life on Earth”.

Um dos pontos de atenção da declaração é o papel que o setor privado deve desempenhar para contribuir com o uso sustentável da biodiversidade, integrando externalidade positivas nos negócios e nos projetos que dependem dos recursos naturais.

Diante dos mais claros sinais de esgotamento do planeta, a COP15, que terá sua parte presencial em 2022, tem que ser encarada como o ponto de virada. É chegado o momento de envolver todos os países na recuperação dos ecossistemas e o uso racional dos recursos naturais.

O setor de florestas plantadas ajuda a entender de que forma promover o uso sustentável dos recursos naturais.

As empresas brasileiras de árvores cultivadas há anos trabalham para integrar de maneira sustentável a produção e conservação e podem oferecer cases de sucesso concretos do papel do setor privado nessa agenda.

Como um setor que faz uso dos recursos naturais, o setor de árvores cultivadas está diretamente ligado a este desafio de promover o uso sustentável e fortalecer ações que integrem a biodiversidade em suas atividades. A adoção de boas práticas produtivas é uma característica inerente ao