3 tendências do mercado de papel em 2022

Tecnologia amplia opções de embalagem, design, impressão e reciclagem. Engana-se quem pensa que o papel é coisa do passado. Fato, o digital ampliou nossa comunicação, mas é o bom e útil papelcartão que protege alimentos, bebidas, cosméticos, medicamentos e todos os produtos que necessitam de embalagens seguras, bonitas e práticas. Atenção, embalar é uma das principais etapas para o sucesso de um produto e exige inovação e um olhar para o futuro. Por isso, conheça as tendências que vão estar presentes nas gôndolas e lojas ao longo de 2022.


Foto: Banco de Imagens @Ibema_Oficial


03/02/2022 - Engana-se quem pensa que o papel é coisa do passado. Fato, o digital ampliou nossa comunicação, mas é o bom e útil papelcartão que protege alimentos, bebidas, cosméticos, medicamentos e todos os produtos que necessitam de embalagens seguras, bonitas e práticas. Atenção, embalar é uma das principais etapas para o sucesso de um produto e exige inovação e um olhar para o futuro. Por isso, conheça as tendências que vão estar presentes nas gôndolas e lojas ao longo de 2022:


Uso de novos recursos tecnológicos ampliará reciclagem

Para ajudar as empresas a cumprir com a Política Nacional de Resíduos Sólidos, surgem alguns recursos tecnológicos capazes de monitorar a cadeia do papel ao longo do ciclo de logística reversa. Um deles é o blockchain aplicado ao controle das quantidades de aparas retiradas da sociedade e efetivamente entregues novamente à

indústria de papel.


“Vemos a tendência por maior utilização de papel reciclado com conteúdo pós consumo”, avalia o gerente corporativo de P&D e Novos Negócios da Ibema, Augusto Arns. Para ele, está em movimento também uma onda de otimização das embalagens com melhorias no papelcartão, o que é boa notícia para o consumidor e também para a indústria gráfica. Alguns exemplos são o uso do Ibema Supera White e Ibema Naturale, dois cartões que lideram o ranking global de rigidez.


Ao longo de 2020, a taxa de reciclagem do papel no Brasil passou de 66% para 70%, conforme o Anuário da Ibá, que também atesta: o papel no Brasil é feito apenas de árvores cultivadas, que removem o CO2 da atmosfera e reduzem os efeitos das mudanças climáticas.


Embalagens ganham papel com mais capacidade de proteção dos produtos

O consumidor valoriza embalagens práticas a um custo reduzido, por isso o aumento na rigidez das embalagens mantendo o mesmo custo-benefício é uma das prioridades. Isso envolve tanto melhorias em cartões já existentes quanto pesquisas para novos lançamentos.


Maior printabilidade do papel traz mais opção para designers e gráficas

Quando um produto é enviado por correio, o consumidor tem duas opções: satisfação ou frustração. A “embalagem livre de frustração” (Frustration-Free Packaging – FFP) contém garantias de segurança do item, mas também design inteligente para aproveitar as inúmeras possibilidades de impressão que o papelcartão traz. Conforme a Anap (Associação Nacional dos Aparistas de Papel), as embalagens de papel protegem os produtos e reduzem desperdício no Brasil.


Fonte: Celulose Online