Klabin registra aumento de 12% no Ebitda em 2019

O volume de vendas de papel cartão registrou aumento de 25% no terceiro trimestre de 2019, comparado ao mesmo período do ano anterior. A Klabin, maior produtora e exportadora de papéis para embalagens do Brasil, única companhia do país a oferecer ao mercado uma solução em celuloses de fibra curta, fibra longa e fluff, e líder nos mercados de embalagens de papelão ondulado e sacos industriais, registrou aumento de 12% no Ebitda ajustado (lucro antes de juros, impostos, depreciação e amortização) no terceiro trimestre de 2019, em relação ao mesmo período do ano anterior, atingindo R$ 1,396 bilhão.




07/11/2019 - A Klabin, maior produtora e exportadora de papéis para embalagens do Brasil, única companhia do país a oferecer ao mercado uma solução em celuloses de fibra curta, fibra longa e fluff, e líder nos mercados de embalagens de papelão ondulado e sacos industriais, registrou aumento de 12% no Ebitda ajustado (lucro antes de juros, impostos, depreciação e amortização) no terceiro trimestre de 2019, em relação ao mesmo período do ano anterior, atingindo R$ 1,396 bilhão.
 

O volume total de vendas da Klabin no 3T19, sem incluir madeira, foi de 799 mil toneladas, o que representa uma retração de 6% em relação ao mesmo período do ano passado. A queda, explicada pela redução no volume de vendas de celulose decorrente da parada de manutenção da Unidade Puma foi, em parte, compensada pelo crescimento nos volumes expedidos nas unidades de papéis. Destaque para as vendas de papel cartão, que registraram aumento de 25% no 3° Trimestre de 2019 se comparado a 2018, consequência do bom posicionamento comercial e desenvolvimento tecnológico da Klabin nesse mercado. O volume total de vendas da companhia, considerando os nove primeiros meses deste ano, apresentou crescimento de 3% em relação ao mesmo período de 2018, totalizando 2,4 milhões de toneladas, com destaque para os mercados de papel cartão e celulose.
 

O bom posicionamento da empresa nos diferentes mercados de papéis e embalagens e sua flexibilidade operacional garantiram o crescimento no segmento de embalagens (papelão ondulado e sacos industriais) que, mesmo diante do tímido desempenho da economia brasileira, apresentou aumento de 6% na receita no terceiro trimestre deste ano em comparação ao terceiro trimestre de 2018. Nos primeiros nove meses do ano a Klabin apresentou 5% de crescimento de faturamento líquido, totalizando R$ 7.568 milhões. Apesar da queda de preços nos mercados de celulose e kraftliner, o aumento pode ser explicado pela desvalorização cambial do período, melhores volumes de papéis e celulose, além da recomposição de preços nos negócios de embalagens.


Investimentos

Durante o terceiro trimestre de 2019, a Klabin investiu R$ 845 milhões, dos quais R$ 79 milhões tiveram como destino as operações florestais, R$ 215 milhões foram aplicados na continuidade operacional e manutenção das fábricas e R$ 121 milhões foram aportados em projetos especiais e expansões.


Klabin contrata empréstimo de US$ 800 mi para projeto Puma II

A operação foi fechada com um sindicato de bancos liderado pelo BID Invest.


A Klabin, maior fabricante brasileira de papéis para embalagem e de embalagens de papelão ondulado, contratou empréstimo de US$ 800 milhões para financiar parte de seu novo ciclo de crescimento. A operação foi fechada com um sindicato de bancos liderado pelo BID Invest, banco multilateral do Grupo Interamericano de Desenvolvimento (BID).


Ao câmbio de hoje, o empréstimo de R$ 3,2 bilhões corresponde a cerca de um terço do investimento bruto previsto para o projeto Puma II, de R$ 9,1 bilhões, até 2023. O projeto prevê duas máquinas de kraftliner integradas à produção de celulose, em Ortigueira (PR), com capacidade nominal de 920 mil toneladas de papel. O BID Invest financiou a construção da unidade Puma, em 2015.


Nesta semana, em teleconferência sobre resultados do terceiro trimestre, o diretor-geral da Klabin, Cristiano Teixeira, disse que o projeto está à frente do cronograma. No intervalo, os investimentos em Puma II somaram R$ 430 milhões, com 6,6% da primeira fase do projeto concluída e mais de 90% dos principais processos contratados.


Desde o início das obras, os investimentos somam R$ 718 milhões. A Klabin prevê aplicar R$ 1,6 bilhão no projeto em 2019 e R$ 3,8 bilhões em 2020. Inicialmente, a companhia previa financiar todo o projeto com recursos próprios, porém iria avaliar oportunidades no mercado.


Fonte: Tissue Online